LiderançaGestão de tempo ou das emoções? Fortaleça habilidades e acabe com o hábito de procrastinar - MasterMind Campinas

25/05/20210

Existem vários fatores que roubam nossa atenção e comprometem a gestão eficaz do nosso tempo, todos os dias: celular, redes sociais, excesso de reuniões, distrações de todo tipo. Mas nenhum talvez seja tão traiçoeiro como a procrastinação. Aquele hábito de deixar para depois o que é importante fazer ou resolver no momento, ainda que isso possa gerar culpa, ansiedade, estresse e frustração.

Mas por que fazemos isso?

Geralmente procrastinamos algo que não é prazeroso fazer. Que gera desconforto por inúmeras razões. Pode ser uma atividade complexa que consideramos difícil, e nos sentimos incapaz de finalizá-la. Ou algo que nos remete a uma lembrança dolorosa, despertando uma necessidade de fuga. Ou, ainda, uma tarefa que exige uma habilidade específica, um novo aprendizado, algum conhecimento que precisamos desenvolver.

Esse é o perigo de estarmos acomodados numa zona estável. Tudo o que nos desafia pode nos bloquear por insegurança, medo do fracasso. E para não ter que lidar com essa frustração, permanecemos na inércia, ou seja, adiando a ação.

Seja qual for o motivo, é importante refletir sobre o que alguns estudos já reforçam a respeito do que há por trás da procrastinação: essa síndrome do “depois eu faço”, que nos leva a adiar projetos e decisões importantes para nosso crescimento, está relacionada à inabilidade de gerenciar emoções.

Todos nós procrastinamos algo. Mas torna-se preocupante quando essa situação é constante, gerando impactos negativos na saúde física e mental. Por isso, mais do que gerenciar tempo, quando falamos sobre a dificuldade de concluir tarefas é importante aprender a reconhecer suas emoções, e a lidar com elas. Para quem se interessar, na MasterMind Campinas temos programas específicos para o desenvolvimento dessas habilidades.

Por ora, procure tomar consciência dos verdadeiros motivos da procrastinação: que gatilhos estão gerando essa atitude? Quais são os medos, inseguranças que podem estar por trás desse bloqueio? É preciso muita disciplina e determinação para quebrar esse ciclo vicioso, muitas vezes inconsciente. Admitir o problema é o primeiro passo. Livrar-se de culpa, do julgamento e da autocrítica é o segundo. Em seguida, é preciso muita disciplina e determinação para iniciar a tarefa com coragem, resistindo ao desconforto. O objetivo é ganhar confiança aos poucos, valorizando as pequenas conquistas diárias.

Para ajudar nesse processo, vamos falar sobre quatro falhas na gestão do tempo que podem estar contribuindo para agravar o hábito de procrastinar. Afinal, aprender a gerenciar a própria agenda já é um bom começo para reverter esse processo!

– Ser multitarefas: Trabalhar em muitos projetos ou atividades simultaneamente é uma armadilha para algumas pessoas, que acabam sentindo grande ansiedade, perdem o foco no que exige plena atenção naquele momento, e se perdem na entrega das tarefas.

– Não saber delegar: Pessoas centralizadoras sofrem para encaixar todas as demandas na sua rotina. Muitas vezes acabam trabalhando além do horário para conseguir cumprir prazos. São típicos workaholics. Em geral, possuem personalidade perfeccionista, o que muitas vezes leva à procrastinação, pois a pessoa nunca acha que o trabalho está bom o suficiente para ser finalizado.

– Não definir metas e não fazer um planejamento: Já falamos muito sobre isso em outros artigos. Metas são nossas bússolas. Quando não sabemos para onde ir, qual o propósito e quando iremos conquistar um objetivo, ficamos desmotivados. Essa insatisfação nos faz adiar decisões ou até desistir no meio do caminho. Além do planejamento diário, o ideal é estabelecer um plano semanal equilibrado, diluindo a conclusão das tarefas ao longo dos dias, sem sobrecarga de trabalho.

– Não respeitar prioridades: Um dos grandes vilões no gerenciamento do tempo. As pessoas costumam fazer primeiro as coisas mais fáceis, simples e rápidas, deixando as mais complexas e trabalhosas para o final, sem levar em conta o nível de importância. Preste atenção se você não está deixando para depois o que é prioridade nesse momento. Você fica com a sensação de dever cumprido, afinal, está executando tarefas o dia todo. Mas é um falso alívio, pois está deixando de lado o que é prioritário. Os procrastinadores são craques nesse tipo de auto sabotagem.

Por fim, existem perguntas básicas que costumam guiar todos aqueles que estão comprometidos com a gestão eficaz do tempo:

O que estou fazendo que não precisaria ser feito, ou que poderia ser executado por outra pessoa?  O que estou fazendo que somente eu posso fazer? O que deveria ser feito agora que não estou fazendo nem delegando a outro?

Reflita sobre isso. E para saber mais sobre nossos programas, acesse:

www.matermindcampinas.com.br.

 

Eduardo Mendes é sócio do grupo Master Mind Brasil, especialista em Gestão Estratégica e Liderança pela University of California, San Diego – School of International Relations and Pacific Studies.